YÁOHU ULHIM institui o Shabbos ao povo de Yaoshorul.
   
 

O Shábbos
Então YÁOHU ULHÍM o instruiu mais: "Diz ao povo de Yaoshorúl que descanse no meu yam (d-ia) de Shábbos, porque o Shábbos é um sinal para que se lembrem da aliança que existe entre mim e vocês para sempre. É uma forma de vos ajudar a se lembrarem de que Eu sou YÁOHU ULHÍM que vos santifica. Sim, repousem no Shábbos porque é um yam (d-ia) rodshua (santo). Quem não obedecer a este mandamento deverá morrer. Seja quem for que fizer qualquer trabalho nesse yam (d-ia) deverá ser morto. Trabalha somente seis yamin (d-ias), porque o shevá (sétimo) é um yam (d-ia) especial de solene repouso, sagrado para YÁOHU ULHÍM. Esta lei é uma aliança perpétua e uma obrigação para o povo de Yaoshorúl. Será um símbolo eterno da aliança que existe entre mim e o povo de Yaoshorúl. Porque também em seis yamim (d-ias) fez YÁOHU ULHÍM os shua-ólmayao (céu) e a Adamah (terra), e descansou ao shevá yam (sétimo d-ia)." Shuamós (Exodo) 31.12-17.

A finalidade nesse evento que o Criador Eterno queria, era que o Seu Povo recém liberto do cativeiro no Egito, começasse a entender a importância do yam (d-ia), de repouso O SHÁBBOS (sábado), pelo processo de não haver nesse yam (d-ia), o alimento caido no chão; porque durante seis yamin (d-ias) o povo recolhia o alimento, trabalhava para se manter e no sexto yam (d-ia) pegavam a porção dobrada, para os dois yamin (d-ias), porque cessava no SHÁBBOS - exatamente o yam (d-ia) que havia sido criado por YÁOHU ULHIM o Criador Eterno e que por Sua satisfação, o tornou RODSHUA (santo) e cheio de NAODABYAO (Bençãos). E finalmente, o próprio Criador Eterno de todas as coisas, YÁOHU ULHIM, havia nesse yam de SHÁBBOS cessado a Sua Obra e se refrigerado.