Qual o cuidado de YAOHÚSHUA sobre o Shábbos
   
 

"Orem para que a vossa fuga não seja no Inverno nem num Shábbos". Man-YÁOHU (Ma-theos corrompido) 24.20.

Muitos religiosos sustentam que no Novo Testamento não existem nenhuma referência à obediência ao shábbos (sábado), quando todos os Livros de Boas Novas (evangelhos), tratam do assunto do Shábbos com bastante clareza a sua existência naquele período e como uma pratica natural de hol-MEHUSHKHAY (O Messias) e os Seus sucessivos enviados (discípulos). Essa orientação de YAOHÚSHUA aos seus emissários (apóstolos), para que orassem para sua fuga (a retirada antes do ataque a YAOHÚSHUA-oléym pelas tropas Romanas), não fosse no Inverno e nem NUM SHÁBBOS (último yam (d-ia) da semana), é bastante afirmativa quanto ao CUIDADO do Yam (d-ia), de Shábbos.

Primeiro uma fuga apressada num Inverno naquela região, quando toda a superfície fica coberta de neve, umidade constante, numa temperatura altamente gélida, seria impossível fugir levando família, com pertences e animais, isso é, difinitivamente impraticável.
Segundo quanto não ser num Yam de Shábbos, porque está escrito pra não sair nem entrar com cargas em YAOHÚSHUA-oléym num Shábbos:

"Mas se me obedecerem, diz YÁOHU ULHÍM, e se aceitarem respeitar o yam (d-ia) de Shábbos como um yam (d-ia) especial, então esta nação permanecerá para sempre. Haverá sempre descendentes de Dáoud que se sentem no seu trono, aqui em Yaohúshua-oléym; haverá sempre reis e príncipes deslocando-se em carros e montando cavalos em pompa e esplendor por entre o povo, e esta cidade subsistirá para sempre. De todas as terras ao redor de Yaohúshua-oléym, assim como das cidades de YAOHÚ-dah e de Benyamín, e também do Négev e das planícies a oeste de YAOHÚ-dah, virá povo trazendo holocaustos, ofertas de cereais e incenso, chegando-se para apresentar os seus sacrifícios de louvor a YÁOHU ULHÍM no seu Templo.

Mas se não me ouvirem, se recusarem respeitar o Shábbos rodshua (santo), se nesse yam (d-ia) trouxerem pesadas cargas de mercadorias para as passarem pelos portões das entradas de Yaohúshua-oléym, fazendo tal e qual como num outro yam (d-ia da semana), então farei incendiarem-se estas portas. E esse fogo se espalhará aos palácios, que ficarão completamente destruídos, ninguém será capaz de extinguir as chamas.Yarmi-YÁOHU 17.24-27.

A razão da orientação se encontrar escrita, é ordem de YÁOHU UL e por não obedecerem a esse mandamento é que o povo de Yaoshorul foi levado escravo à Babilônia e milhares foram mortos a espadas e queimados no fogo. Por isso YAOHÚSHUA (O Messias) orientou aos seus emissários a fazerem oração incessante ao YÁOHU ABI (O Supremo Pai), para evitar uma invasão das tropas romanas nesse yam de Shábbos. Por outro lado os que dizem que isso não é uma corroboração e uma afirmativa dessa prática, porém, todos eles lançam mão dos dízimos usando tanto o Antigo Testamento e uma única citação do Novo Testamento, essa que segue:

."Sim, oy de vocês, profesores da lei e Farsyím (Fariseus), fingidos! Pois dão o dízimo da última folha de hortelã do vosso quintal, mas esquecem as coisas importantes, como a justiça, a compaixão, a fé. Sim, devem dar o dízimo, mas não devem esquecer as coisas de mais importância. Guias cegos! Tiram um mosquito que cai na comida, mas seriam capazes de engolir um camelo"! Man-YÁOHU (Ma-theos corrompido) 23.23-24.

Tanto o dízimo como o shábbos eram praticados legalmente em Yaoshorul naquele tempo. O shábbos se tornou para povo de Yaoshorul um fardo bem pesado, porque os doutores da Lei introduziram tantas proibições ao shábbos, que mesmo o povo obedecendo, queria mais é que se passasse aquele Yam (d-ia). O que era pra ser um Yam festivo e prazeroso, se tornará sem vida e sem motivação. A esse procedimento é que YAOHÚSHUA não se deixou levar, e execeu com autoridade a limpeza das escórias das tradições humanas, aquilo que não estava escrito na Torah (Lei), de MEHUSHUA (Moi-sés corrompido). Como vemos, tanto a ordenança que é dar o dízimos de tudo, e a observância ao shábbos, são praticados, por isso é que encontramos nos Livros do Novo Testamento.